VI Encontro de Línguas da Fafica trouxe egressos que compartilharam histórias e experiências com os estudantes de Letras


 

Encontro foi realizado nos dias 10 e 11 de setembro e a programação contou
com a participação de egressos na mesa temática e nas oficinas

 

O curso de Letras da FAFICA realizou nos dias 10 e 11 de setembro a sexta edição do Encontro de Línguas. Com o tema: “Revisitando memórias, compartilhando histórias: diálogos com professores em ação”, a programação contou com uma mesa temática na primeira noite do evento (10/09), na qual, egressos convidados compartilharam experiências e conversaram com os estudantes sobre a atuação do professor nos dias atuais. Além da mesa, estudantes realizaram apresentações culturais e foi prestada uma homenagem à ex-professora da FAFICA: Andreia de Lima Gomes que recebeu uma placa pelos serviços prestados à instituição.

 

No segundo dia do evento (11/09), as oficinas de Língua Portuguesa, Inglesa, Espanhola e Libras foram realizadas nas salas de aula. Os professores convidados para ministrar as oficinas foram: Menelau Junior (Língua Portuguesa), Henry Kleber e Amanda Lopes (Língua Inglesa), Diógenes Freitas (Língua Espanhola) e Álvaro Ferreira (Libras).

 

Professora do curso de Letras, Margaret Vasconcelos falou sobre a realização de eventos temáticos para complementar a formação dos estudantes. “Viemos realizando esse encontro há alguns anos e sempre procuramos temas do cotidiano dos alunos, que façam com que eles tenham uma experiência diferenciada, que saiam da rotina e que levem para a sala de aula o que eles aprendem na faculdade”, disse a professora ao destacar a vinda de ex-alunos para participarem do evento. “Este ano o tema foi com egressos e os estudantes participaram de oficinas com egressos de peso aqui na cidade, que são renomados exatamente por terem aulas diversificadas e essa diversidade está sendo aplicada em sala de aula com os nossos alunos”, destaca.

 

O professor de Língua Portuguesa, Menelau Junior explicou a proposta apresentada durante a oficina. “Trouxemos uma proposta visando essa mudança que está sendo implementada no Brasil com a nova base comum curricular. Foi apresentado como o professor pode trabalhar na sala de aula a questão da leitura numa visão mais ampla do que a tradicional e como pode ser aplicada junto ao ensino da gramática. Diante de nossas experiências, fizemos uma ponte entre interpretação, leitura e gramática”, explicou.

 

Intérprete e professor de Libras, Álvaro Ferreira destacou a importância de trabalhar com os estudantes de licenciaturas a linguagem de sinais. “O objetivo foi trazer esse debate sobre a língua que é própria do surdo, mas também que tem uma cultura, uma identidade. As pessoas precisam estar juntas nesse processo der inclusão social da pessoa surda. Abrir esse espaço no encontro de línguas nos dá a possibilidade de poder desenvolver mais e aprofundar nas discussões com relação à inclusão social do surdo na educação de forma geral”, enfatiza.

 

Para o coordenador do curso de Letras, professor Fabio Brainer, a sexta edição do Encontro de Línguas foi um sucesso. “Assim como nas edições anteriores, o sexto encontro de línguas foi um sucesso. Os estudantes do curso de Letras chegaram a disputar vagas nas oficinas que contou com a presença de egressos, inclusive no primeiro momento, que foi uma mesa em que eles puderam compartilhar experiências”, disse.

 

Fotos: Ermesson Cruz